News

29/04
2005

Burocracia impede chegada de navios

Apesar de a dragagem de manutenção do canal de navegação do Porto de Santos estar sendo realizada há pouco mais de dois meses, o complexo só poderá receber navios com calado superior a 12,8 metros (a profundidade original na entrada do porto) após o total encerramento do serviço, previsto para ocorrer no final do ano. É que a navegação de embarcações com profundidades superiores a 12,8 metros só será permitida pelos profissionais da Praticagem de Santos quando houver uma notificação oficial da Marinha Brasileira garantindo a nova medida do canal. Em razão desse detalhe burocrático, alguns armadores estão gastando mais com os fretes marítimos, pois os navios têm, muitas vezes, de voltar ao porto para terminar de embarcar a carga que não pôde ser levada na primeira vez.
29/04
2005

Copom elevou juros por riscos de curto prazo

Riscos inflacionários de curto prazo levaram o Comitê de Política Monetária a elevar os juros em 0,25 ponto percentual na reunião da semana passada, de acordo com a ata do encontro divulgada nesta quinta-feira. No documento, o Copom diz que acompanhará "atentamente a evolução do cenário prospectivo para a inflação" até a sua próxima reunião para então definir os novos passos da política monetária.
28/04
2005

Brasil admite ampliar proposta de abertura em serviços na OMC

O Brasil estuda a possibilidade de oferecer abertura em serviços financeiros, telecomunicações e transportes no mês que vem na OMC - Organização Mundial do Comércio, desde que países industrializados desbloqueiem a negociação agrícola rapidamente. A sinalização foi dada pelo diretor do Departamento Econômico do Itamaraty, embaixador Piragibe Tarrago, às vésperas do encontro dos 148 países para fazer um balanço da Rodada Doha.
28/04
2005

Analistas discutem o impacto da freada

Perda de dinamismo na indústria, queda nas importações de matérias-primas, baixa na confiança dos empresários e aumento do desemprego apontam para uma tendência de desaceleração da atividade. 'A economia está perdendo o fôlego', diz Celso Toledo, economista-chefe da MCM Consultores Associados. 'Os indicadores estão confirmando essa tendência de desaceleração.' Para Toledo, a economia está desacelerando por causa de um processo de acomodação natural e também como conseqüência da política monetária apertada. Mas a atividade está refletindo aumentos de juros feitos ainda no ano passado. As últimas elevações da Selic, atualmente em 19,5%, ainda não afetaram a economia. E é aí que mora o problema. 'Há um perigo de a economia se desaquecer mais do que o desejado', diz Toledo. 'O aperto monetário pode ter passado do ponto.' Toledo projeta um crescimento do PIB de 3,2% neste ano, diante de 5,2% no ano passado.
28/04
2005

Harmonização da TEC custará caro ao Brasil

O Brasil pode acabar pagando a conta do fim da dupla cobrança da TEC Tarifa Externa Comum, no Mercosul, porque é o único país que possui uma receita aduaneira expressiva, alerta Eliane de Souza Fontes, coordenadora-geral de integração regional da SeceX. Segundo a especialista, estudos preliminares da Secretaria do Mercosul revelam que a arrecadação de impostos de importação de Argentina, Uruguai e Paraguai é mínima. "O nível de arrecadação de tarifas é preocupante. Será uma distribuição da renda que o Brasil arrecada", disse Eliane em palestra para empresários do setor eletroeletrônico ontem em São Paulo.