News

13/05
2005

Lula quer que BNDES financie vizinhos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva planeja permitir que o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, funcione como instituição de fomento para empresas de todos os países que formam o Mercosul junto com o Brasil. A saber: Argentina, Uruguai e Paraguai. A Venezuela e outros países associados ao Mercosul também seriam beneficiados.
13/05
2005

Alta do real favorece Argentina, diz Furlan

A valorização do real está prejudicando as empresas brasileiras e favorecendo as companhias argentinas. A conclusão é do ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan. Ele diz que, no médio prazo, a variação cambial reduzirá as exportações brasileiras para o sócio do Mercosul. "As empresas brasileiras estão sistematicamente perdendo competitividade em relação ao país vizinho.
12/05
2005

Lula reconheceu "assimetrias econômicas", diz Kirchner

O presidente Néstor Kirchner disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva 'entendeu com toda clareza' que 'não pode existir na América do Sul um país com indústrias e outro país sem indústrias'. Kirchner explicou que o presidente Lula 'reconheceu' a existência de assimetrias econômicas que favoreciam o Brasil em detrimento da Argentina. 'El Pingüino' (O Pingüim), como é conhecido popularmente em seu país, retornou a Buenos Aires com pose de ter 'dobrado' seu colega brasileiro e de tê-lo convencido a admitir as exigências argentinas.
12/05
2005

Produção industrial de março desacelera em 11 estados brasileiros

A maioria dos estados brasileiros teve aumento de sua produção industrial, em março. No entanto, o crescimento nos três primeiros meses de 2005 ficou abaixo do apresentado no último trimestre do ano passado. Essa desaceleração da produção industrial no país foi revelada por uma pesquisa do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, divulgada ontem.
12/05
2005

País sobe duas posições no ranking mundial de competitividade e é o 51º

Uma boa notícia: o Brasil subiu pela primeira vez desde 2002 no ranking de competitividade mundial do IMD (Instituto Internacional para o Desenvolvimento Gerencial). A má notícia: o país obteve apenas a 51ª posição entre os 60 pesquisados, sendo 51 países e nove regiões. Os principais fatores para a melhora no desempenho foram a boa performance econômica do país no ano passado e a subida no ranking de eficiência empresarial, no qual o país ocupou a 31ª posição. São Paulo foi uma das regiões pesquisadas pelo IMD, e saltou quatro posições, passando a ser a 43ª economia mais competitiva do mundo.