News

17/10
2005

Nova meta do governo para 2005 é exportar US$ 117 bilhões, anuncia Furlan

A nova meta para as exportações brasileiras é de atingir o montante de US$ 117 bilhões neste ano, anunciou há pouco o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan. A previsão anterior do Ministério era de encerrar 2005 com US$ 112 bilhões em exportações. O Banco Central, por sua vez, projetava US$ 114 bilhões em vendas ao exterior, de acordo com sua previsão mais recente, divulgada em setembro.
14/10
2005

Furlan tenta restaurar a MP do Bem

Furlan tenta restaurar a MP do Bem Valor Econômico Ganha força dentro do governo a alternativa de ressuscitar o pacote de medidas de incentivo a investimento e redução de impostos conhecido como MP do Bem (MP 252) por meio de emendas à Medida Provisória 255, que trata da tributação nos planos de previdência complementar. Irritado com a falta de aprovação da medida, o ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, desistiu de incorporar-se à comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Portugal, na quarta-feira, e, ontem, reuniu-se, em Brasília, com assessores para discutir alternativas. Hoje ele se reunirá, no fim, da manhã, com o ministro das Relações Institucionais, Jaques Wagner, de quem pretende cobrar engajamento, no governo, para superar os problemas causados pela não-aprovação da MP do Bem.
14/10
2005

Importações devem crescer num ritmo maior no próximo ano

Economistas e especialistas em comércio exterior começam a consolidar as perspectivas para a balança comercial em 2006 e muitos reconhecem que estão repetindo as mesmas estimativas feitas no final de 2004 para este ano. Mas, dizem, desta vez deverá ser diferente. "Este ano todo mundo errou. A expansão das importações num ritmo mais acelerado do que o das exportações era a única certeza do início do ano e não ocorreu. Erraremos de novo caso ocorra em 2006 novos aumentos dos preços internacionais das commodities ? o que é pouco provável ? e que os manufaturados, bens sensíveis a câmbio que até hoje mantêm o fôlego, novamente não atingissem um ponto de saturação", diz o vice-presidente executivo da AEB - Associação de Comércio Exterior do Brasil, José Augusto de Castro.
14/10
2005

Fiesp quer limitar crédito à importação

Para tentar conter a queda do dólar, a Fiesp propôs ao Banco Central a adoção de medidas para restringir o crédito à importação. Para a entidade, esse dinheiro captado fora do país pelos importadores tem sido um dos grandes responsáveis pela apreciação cambial. Pelas contas da Fiesp, existem hoje cerca de US$ 14 bilhões aplicados no mercado financeiro provenientes de financiamentos à importação. Trata-se de uma massa de dinheiro em dólar que contribui significativamente para apreciar o câmbio
13/10
2005

Exportador adia contratos à espera da desvalorização

O ano de 2006 não será tão farto para as exportações como está sendo este ano. Está é a conclusão de várias entidades representativas de comércio exterior, empresas exportadoras e especialistas na área, que estão começando a fazer suas projeções para o próximo ano. O principal motivo é que a desvalorização do dólar está dificultando a renovação dos contratos de exportação. Tradicionalmente em outubro as empresas iniciam suas projeções para investimento no ano seguinte. Desta vez, elas estão adiando ao máximo tomar qualquer decisão que envolva o mercado externo na expectativa de uma mudança de cenário. Entre outras palavras, na esperança de uma desvalorização do real frente ao dólar. "Todos estão fazendo a revisão da revisão. Investir no mercado externo está muito ruim nestas circunstâncias", destacou o presidente da AEB - Associação de Comércio Exterior, José Augusto de Castro. "Não há segurança para tomar nenhuma decisão. As empresas estão perdidas com a falta de um cenário seguro e isso cria para 2006 um cenário de incerteza", completou.