News

22/02
2006

Diversificação de itens garante saldo positivo

Para o consultor de comércio exterior da AmCham - Câmara Americana de Comércio, Thomas Reaoch, embora algumas empresas estejam deixando de exportar, a balança não vai se alterar imediatamente. O principal motivo é a baixa taxa de crescimento da economia brasileira, pressionando pouco as importações. ?Comparada a outras realidades, como China e Índia, que crescem cerca de 7% ao ano, o ritmo da economia brasileira está aquém do necessário?, afirmou Reaoch. Na previsão do Iedi - Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial as importações vão apresentar crescimento de 20% e as exportações, de 10%. Dentro desse cenário, o superávit será sustentado graças às cotações das commodities. ?No ano passado, as exportações cresceram porque 50% do resultado estavam voltados às cotações internacionais de café, açúcar, ferro e aço, que tiveram aumento de preço. Além disso, agora o Brasil exporta petróleo.
21/02
2006

Caribe extingue certificado de origem

As exportações brasileiras ao Mercado Caricom - Comum e Comunidade do Caribe não precisam mais acompanhar os Certificados de Origem, de acordo com a secretaria do Caribbean Comunity. Segundo o comunicado publicado no DOU - Diário Oficial da União, os únicos documentos necessários a partir de agora são a Fatura Comercial, o Conhecimento de Embarque e o Packing List. O Caricom é um bloco de cooperação econômica e política, criado em 1973, formado por 14 países e 4 territórios da região caribenha.
21/02
2006

Exportações começam a perder fôlego

Exportações começam a perder fôlego O Globo - Rio de Janeiro As importações brasileiras vêm crescendo mais do que as exportações e isso foi confirmado, de forma mais vigorosa, na terceira semana de fevereiro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, as compras externas subiram 17,5%, enquanto as exportações tiveram um pequeno acréscimo de 4,1%. Esse comportamento, no entanto, não impediu que a balança comercial tivesse superávit de US$ 579 milhões no período, embora o valor tenha sido inferior aos US$ 881 milhões da semana anterior.
21/02
2006

Mercosul corre perigo

Ecologistas argentinos pediram ontem ao governo Kirchner que impeça o transporte, por dentro do território deste país, de insumos destinados às fábricas de celulose no Uruguai. O Ministro do Transporte do Uruguai, Victor Rossi, disparou: "Isso é um bloqueio econômico! Não é só uma defesa de princípios do meio ambiente." Segundo o analista político argentino Eduardo van der Kooy, colunista do jornal "Clarín", se a escalada entre Uruguai e Argentina "subir um pouco mais, os dois países estariam a ponto de uma ruptura". Ele argumenta que o Mercosul poderia ter sua primeira fratura. O analista sustenta que o senso comum e um pouco de lógica indicariam que isso não seria possível. "Mas Kirchner e Tabaré Vázquez estão com a teimosia de não ceder em um centímetro. Ambos fazem equilíbrio sobre uma marquise."
20/02
2006

Balança tem superávit de US$ 579 milhões na semana passada

Com o crescimento das importações acima das exportações, a balança comercial brasileira registrou um superávit comercial de apenas US$ 579 milhões na terceira semana de fevereiro (dias 13 a 19). O resultado está abaixo do desempenho da semana anterior, quando o saldo positivo foi de US$ 881 milhões. As informações foram divulgadas hoje pelo Ministério do Desenvolvimento. Entre os dias 13 e 19, as exportações totalizaram US$ 2,162 bilhões e as importações, US$ 1,583 bilhão. No acumulado do mês, o superávit está em US$ 1,605 bilhão, diferença entre as exportações de US$ 5,830 bilhões e as importações de US$ 4,225 bilhões. Em janeiro, o saldo ficou positivo em US$ 2,844 bilhões.