News

02/03
2006

Indústria se protege do câmbio e estrutura produtiva pode mudar

A indústria brasileira já detonou um movimento preventivo para conviver com o câmbio entre R$ 2,0 e R$ 2,30. As empresas estão contratando produção na China e em outros países, abrindo filiais no exterior, ampliando a aquisição de insumos e matérias-primas importadas e reduzindo outros custos internos. Essa ação "preventiva", contudo, pode evoluir para uma mudança definitiva na estrutura produtiva do país, caso a cotação do dólar se consolide no patamar atual. Com a cotação da moeda americana próxima a R$ 2, as indústrias tendem a se especializar na produção de bens finais e a importar mais insumos, peças e componentes, acreditam os especialistas.
02/03
2006

Mudanças na economia explicam dólar barato

A maioria dos fatores que derrubaram o dólar nos últimos meses veio para ficar. Movimentos conjunturais como a evolução das taxas de juros no Brasil e no exterior tiveram peso importante, mas os economistas acreditam que a valorização do real em relação à moeda americana é principalmente o resultado de transformações mais profundas sofridas pela economia do país. Os juros altos do Brasil tornam o país atraente para os investidores estrangeiros porque oferecem rendimentos maiores que os obtidos nos países mais avançados. Isso tem trazido muitos dólares para o país, contribuindo para baixar a cotação da moeda americana. O Banco Central tem reduzido as taxas de juros, mas seriam necessários cortes bem maiores que os praticados pelo BC para assustar os investidores.
24/02
2006

Greve da Anvisa afeta movimento em Santos

A greve dos funcionários da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, afetou as operações do Porto de Santos, o maior do País, entre a quarta-feira e ontem, impedindo a entrada de 14 navios. O órgão federal de fiscalização não expediu certificados que atestam as condições fitossanitárias das embarcações oriundas de regiões endêmicas. Só navios que chegam de áreas livres de contaminação conseguiram autorização, através do escritório da Anvisa em São Paulo.
24/02
2006

Exportações ficam mais concentradas

Um recorte do desempenho do comércio exterior brasileiro mostra que a alta das vendas externas do país está concentrada em um menor número de produtos e a tendência é de manutenção dessa concentração ao longo deste ano. No primeiro mês deste ano, os dez principais produtos da pauta de exportação brasileira contribuíram com 53,8% para a alta das exportações. Em janeiro de 2005, essa contribuição havia sido de 46,6%, segundo dados da Funcex - Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior. Quanto maior o percentual de participação na taxa de crescimento das exportações alcançado por um determinado grupo de produtos, menor é a diversidade de mercadorias com destaque no aumento das exportações.
24/02
2006

BC apóia fim de cobertura cambial

O diretor de Assuntos Internacionais do Banco Central, Alexandre Schwartsman, afirmou ser a favor do fim da chamada cobertura cambial, ou seja, da obrigatoriedade que os exportadores têm de trazer para o País os dólares obtidos com as vendas externas, dentro de um prazo estabelecido ? atualmente de 210 dias. A proposta consta de projeto de lei complementar do senador Fernando Bezerra (PTB-RN), apresentada no início do ano, com o apoio de entidades empresariais. Foi a primeira vez que um membro da direção do BC se manifestou abertamente sobre o assunto.