News

16/05
2005

Câmbio breca investimentos em exportação, alerta Castro

O câmbio está afetando a intenção de investimento das empresas, especialmente os novos projetos voltados à exportação. Neste momento, a valorização do real tem efeito mais perverso que o dos juros altos, diz o diretor de planejamento do BNDES, Antonio Barros de Castro, que admite frustrações com os rumos da economia. Ele alerta que o juro alto "estrangula o curto prazo", mas "a turbulência cambial torna opaco o futuro". Os juros têm outros impactos deletérios como expandir a dívida, enquanto o câmbio torna extremamente incerto o longo prazo, inibindo investimentos.
13/05
2005

Empresários fazem fila para vender produtos aos árabes

Cerca de 300 empresários brasileiros fizeram fila para oferecer seus produtos e serviços a 60 representantes árabes do setor produtivo, durante o encontro empresarial em São Paulo. A reunião, que termina hoje, se seguiu à cúpula entre Mercosul e Liga Árabe, que aconteceu terça e quarta-feira em Brasília.
13/05
2005

Lula quer que BNDES financie vizinhos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva planeja permitir que o BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, funcione como instituição de fomento para empresas de todos os países que formam o Mercosul junto com o Brasil. A saber: Argentina, Uruguai e Paraguai. A Venezuela e outros países associados ao Mercosul também seriam beneficiados.
13/05
2005

Alta do real favorece Argentina, diz Furlan

A valorização do real está prejudicando as empresas brasileiras e favorecendo as companhias argentinas. A conclusão é do ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan. Ele diz que, no médio prazo, a variação cambial reduzirá as exportações brasileiras para o sócio do Mercosul. "As empresas brasileiras estão sistematicamente perdendo competitividade em relação ao país vizinho.
12/05
2005

Lula reconheceu "assimetrias econômicas", diz Kirchner

O presidente Néstor Kirchner disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva 'entendeu com toda clareza' que 'não pode existir na América do Sul um país com indústrias e outro país sem indústrias'. Kirchner explicou que o presidente Lula 'reconheceu' a existência de assimetrias econômicas que favoreciam o Brasil em detrimento da Argentina. 'El Pingüino' (O Pingüim), como é conhecido popularmente em seu país, retornou a Buenos Aires com pose de ter 'dobrado' seu colega brasileiro e de tê-lo convencido a admitir as exigências argentinas.